Barra do Bugres comemora 77 anos de emancipação política/administrativa

Nesta segunda-feira (19.04), data em que se celebra o Dia do ìndio, o município de Barra do Bugres (165 quilômetros a Noroeste de Cuiabá) comemora seu 77º aniversário com ações do Governo do Estado em infraestrutura e agricultura familiar.

A cidade que atualmente possui cerca de 35.307 habitantes.

Economia –  O campus da Unemat, uma planta de etanol, um frigorífico e uma indústria de calcário, aliado à segunda maior produção estadual de cana-de-açúcar (a primeira pertence à vizinha Denise), explicam o equilíbrio dos setores econômicos formadores do PIB (Produto Interno Bruto) municipal, avaliado em 2018 em R$ 1,315 bilhão pelo IBGE.

Agropecuária, com R$ 390,98 milhões, indústria (R$ 318,76 milhões) e serviços (R$ 306,45 milhões) representam 77,28% deste total, com administração pública (R$ 205,5 milhões) e impostos (R$ 94,23 milhões) fechando a conta. O PIB per capita é de R$ 38.012,13.

Na pecuária, Barra do Bugres respondeu em 2019 por 271,2 mil cabeças de gado bovino, das quais 843 vacas ordenhadas, com 1,08 milhão de litros de leite; por um rebanho galináceo com 51,25 mil cabeças, das quais 31,85 mil galinhas, com 401 dúzias de ovos; quatro mil ovinos; 2,8 mil equinos; 2,3 mil suínos (223 matrizes); 1.235 búfalos; e 359 caprinos. Produziu ainda quatro toneladas de peixe em cativeiro

Na agricultura, a produção cana de açúcar, de 3,73 milhões de toneladas foi avaliada em R$ 231,67milhões, equivalente a quase 60% do PIB agropecuário. O município produz ainda amendoim, arroz, mandioca, melancia, milho, soja e abacaxi, além de borracha, coco-da-baía e banana, com 3,47mil toneladas, a sexta maior do estado em 2019.   

História – Antigo distrito de Cáceres, localizado onde o rio Bugres deságua no Paraguai, Barra do Bugres recebeu seus primeiros povoadores, procedentes de Cuiabá, em 1878. Ergueram seus primeiros ranchos, para subsistência, e em busca da poaia (ipecacuanha), usada no tratamento da disenteria. Mais tarde, descobriram outras potencialidades, como madeiras, borracha nativa, diamante e ouro. 

Em 1896, foi criada a Paroquia de Santa Cruz de Barra do Bugres. Em 1910, o governo estadual desapropriou dois mil hectares de terra para o povoado. Em 1926, a Coluna Prestes passou pela região.

Com o crescimento econômico, criou-se em dezembro de 1940 a Coletoria de Rendas Estaduais. Três anos depois, em dezembro de 1943, foi criado o município, porém instalado em 19 e abril de 1944. Mais tarde chegaram mineiros, paulistas e cearenses.

Em Barra do Bugres ainda vive os Umutina, um de seus primeiros habitantes, que haviam perdido o contato com sua língua original, hoje resgatada e ensinada às crianças por professores indígenas formados pela Faculdade localizada no município.