PM resgatou criança de 06 anos, deficiente visual, que era torturada e mantida em cárcere privado

A polícia militar foi acionada por volta das 16:30h, na quinta-feira (15.07) em uma joalheira, na avenida Brescansin em Sorriso – MT, para apurar uma denúncia de tortura contra uma criança, de 06 anos, portadora de deficiência visual, onde segundo a denúncia o padrasto da criança estaria agredindo fisicamente a menina e praticando maus-tratos contra a enteada.

Os policiais então foram ao local e quando a guarnição se aproximou da porta de entrada da joalheria, o suspeito não queria permitir a entrada da polícia fechando a porta. Diante da ação de recusa, o Sargento PM Perin que já trabalhou em Tangará da Serra, percebendo que existia algo de errado no local, adentrou ao local para verificar a denúncia, e se, no interior da loja havia indícios do crime, conforme narrado pela denúncia.

Ao ver que a polícia entrou na joalheira, o padrasto da criança fugiu do local correndo pela Avenida Brescansin em direção a Área Verde. No interior da joalheria foi encontrada a mãe da criança, que ao perceber a presença dos policiais, saiu de dentro do banheiro e fechou a porta novamente na tentativa de esconder a criança dos policiais.

Então os policiais abriram a porta do banheiro e encontraram a criança sentada no vaso sanitário, de cabeça baixa, com sangramento nas mãos, com lesões corporais cortantes e hematomas por todo corpo. Diante dos fatos a criança foi resgatada do banheiro da loja, onde estava escondida, e o Conselho Tutelar foi acionado.

Os policiais deram voz de prisão, em flagrante, a mãe da criança por ser conivente com as agressões físicas e psicológicas causadas contra sua filha pelo padrasto, além de ter mantido a criança trancada dentro do banheiro no intuito de não permitir que as autoridades descobrissem o crime que o casal estava cometendo contra a criança. Segundo a mãe da criança, seu companheiro, padrasto da menina, realmente costumava agredir fisicamente sua filha.

A menina, de seis anos, foi entregue o Conselho Tutelar que a levou para realizar o exame de corpo de delito e também a UPA sendo constatado que a criança estava desnutrida e com febre de 39.9°, motivo pelo qual ficou internada para tratamento clínico. A mãe da criança está presa na Delegacia.